Autopercepção e Equilíbrio


Se você, é uma pessoa que busca aprimoramento pessoal, que está trilhando a jornada do autodesenvolvimento em busca de tornar-se a sua melhor versão, certamente uma palavra recorrente no seu vocabulário é a palavra AUTOCONHECIMENTO. De fato, autoconhecimento é um recurso fundamental em nosso processo de crescimento.

Eu gosto bastante do exercício de substituir a palavra “autoconhecimento”, pela palavra “auto percepção”, esta mudança singela, pode nos conduzir a compreensão de que talvez, eu já me conheça, talvez eu já saiba, e apenas precise me conectar com a parte de mim que conhece a verdade sobre quem eu sou e o que eu preciso - a sabedoria interior. É justamente por este motivo, que perceber, me parece mais apropriado do que conhecer.

Perceber os nossos pensamentos, as nossas emoções e o nosso corpo. Por vezes, nos concentramos em respostas complexas sobre a questão do ser, quando na verdade, pequenos exercícios de percepção podem trazer a clareza de que precisamos para construir uma jornada com resultados mais positivos.

Este pequeno exercício, pode ser, por exemplo, a partir da compreensão de que somos uma trindade composta por mente, emoções e corpo, avaliarmos como nos relacionamos com estas diferentes partes de quem somos.

Ao longo da minha jornada de aprimoramento pessoal e atuação como mediadora deste processo junto aos meus clientes, compreendi que de acordo com a nossa história de vida, personalidade e circunstâncias experimentadas, desenvolvemos prioritariamente uma das áreas da trindade em detrimento das outras, de modo que temos uma grande tendência a otimizar determinas áreas de nossas vidas e negligenciar outras e isto nos conduz a um funcionamento desequilibrado que afeta a nossa saúde, os nossos relacionamentos e resultados na vida.

Cuidamos do corpo, mas negligenciamos as nossas emoções, ou nos atentamos as emoções, e negligenciamos o corpo ou o intelecto e neste processo, nos prendemos a ciclos de fracasso, afinal, de que adiante uma carreira de sucesso, sem saúde, sem felicidade, sem relacionamentos saudáveis? Ou de que adianta saúde, se a vida é morna, se temos músculos, mas não temos vontade de viver?

É fato, que sempre teremos uma área foco que será predominante em nossa forma de funcionar, em nosso comportamento e preferências, que pode ser Racional – Mente, Emocional – Coração ou Instinto – Corpo. No entanto, é quando exploramos os diferentes recursos desta trindade que somos, que otimizamos o nosso potencial, e caminhamos para este lugar sonhado em que acessamos o melhor de nós.

Dentro da metodologia do coaching, existe uma ferramenta que utilizamos como recurso para este processo de auto percepção, que é a roda da vida, nela avaliamos as diferentes áreas desta trindade que somos e observamos onde estão os nossos maiores recursos e quais são as áreas negligenciadas e é este o ponto de partida para um processo de evolução pessoal. Pois é na otimização das forças e na minimização das fraquezas, que construímos equilíbrio e é neste lugar chamado equilíbrio que a vida acontece.

Eu quero encerrar este papo, te convidado a fazer um exercício de auto percepção, para que você aplique de forma prática este conhecimento, avaliando focos e negligencias na gestão da trindade mente, emoções e corpo.


Avalie a qualidade dos seus pensamentos, é mais frequente que você pense nos perigos e em tudo que pode dar errado, ou que você enxergue possibilidades e recursos? Diante do novo, você tende a buscar soluções ou se espanta e entra em estagnação? Quanto você investiu em informação, conhecimento e cultura nos últimos meses? Quantos livros você leu? O que você fez de diferente? De 0 a 10, quão satisfatório está o seu desenvolvimento intelectual?


Avalie o quanto você experimenta sentimentos positivos ou negativos em seu dia a dia e com que facilidade você os reconhece, é capaz de expressar e falar sobre eles. Você experimenta mais momentos de paz, de alegria, de satisfação ou tende a experimentar ansiedade, insatisfação e angústia? É fácil para você falar sobre os seus sentimentos, expressar afeto ou isto te gera incomodo? Os nossos sentimentos produzem vibrações que afetam a nossa estrutura física, podendo gerar saúde ou doença. Bem-estar ou Mal-estar. São os sentimentos também que permeiam as relações humanas e geram conexão do eu com o outro e do eu com o meio, ampliando a nossa consciência em relação a tudo que nos transcende e assim trazendo senso de propósito e pertencimento. De 0 a 10, quão satisfatória está a sua relação com a sua vida emocional?


Avalie o quanto e como você coloca o seu corpo em movimento, com que frequência experimenta momentos de prazer, de lazer, quais alimentos escolhe para nutri-lo, quanta água você ingere. A relação que você tem com o seu corpo, tende a ser a mesma relação que você tem com resultados concretos. O seu corpo é a sua conexão com o presente, com o mundo real, seu veículo de funcionamento e ação, é através dele que resultados são obtidos. De 0 a 10, quão satisfatória está a sua relação com o seu corpo?


Observar suas respostas a este exercício da tríade existencial, é uma pista importante para que você compreenda qual sua força predominante, se você opera mais pela mente, emoções ou corpo. É importante que você explore sua área de força e a utilize como recurso para potencializar as áreas que estão sendo negligenciadas.

Se você por exemplo, é mais racional, use a mente para criar estratégias para movimentar o seu corpo e expressar os seus sentimentos. Se você mais emocional, busque em sua intuição e sabedoria interior, como você pode adquirir mais conhecimento e agir de forma mais prática mantendo a leveza e as conexões humanas. Ou ainda, se você é mais corporal, use a sua força de ação, para fazer o que é necessário em favor da sua saúde mental e emocional.

Defina pelo menos uma ação, que você possa adotar imediatamente para exercitar as áreas da sua existência que estão atrofiadas, trazendo assim mais equilíbrio para a sua vida.

Talvez você possa beber mais água, talvez possa começar a caminhar, talvez possa comprar um novo livro, ou se matricular em algum curso, talvez possa dizer a alguém o que sente, ou procurar ajuda. Seja qual for o primeiro passo que você pode dar a partir deste exercício, não se preocupe em ser grande ou pequeno, apenas comece... porque toda grande transformação começa com um primeiro passo.

Aliás, há alguns anos, tenho diariamente dado pequenos passos, buscando não olhar para todos os passos que ainda faltam, mas, para todos os passos que eu já avancei ao longo desta jornada. O que eu percebo é que a cada novo pequeno passo, o fardo tem ficado cada vez mais leve.

Portanto, quero encerrar este nosso bate papo, te inspirando a continuar a caminhar, talvez não com tanta velocidade, mas sempre, com consistência e constância.


Um beijo no coração. Até mais!

15 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo